O Colar de Amaia (Os Caçadores #1) | Vamos para o Egito?


Hey, mates! Tudo bem com vocês?
Faltam SEIS dias para o lançamento de 'O Colar de Amaia' (Os Caçadores #1) e hoje vamos falar sobre o Egito. Não é apenas pelo fato de eu ter um enorme fascínio por esse país, sua história e passado mistico, mas como escrever uma série onde seus protagonistas são caçadores do passado sem pensar no Egito? Bobbi, a protagonista de Seekers é apaixonada pelo Egito, paixão essa desenvolvida graças o incentivo de seu pai, Ron McAvoy e isso apenas a levou a se tornar Egiptóloga. Atualmente, ela é reconhecida como uma das melhores nessa área e isso aconteceu graças ao seu amor pela profissão e por esse país de incríveis histórias. Vamos saber mais um pouquinho sobre?


Terra dos mistérios, superstições e da moderna arqueologia, o Egito fascina com sua rica história, grandes monumentos e o poderoso rio Nilo.

A cidade do Cairo é a porta de entrada para o país, contando com um dos mais incríveis museus do planeta, o Museu do Cairo, repleto de múmias, sarcófagos, esculturas e outras preciosidades. Pena que sua organização seja péssima, com uma curadoria idem. Caótica, barulhenta e dinâmica, a cidade possui um trânsito infernal, mas sobra charme. Próximo ao centro está o platô de Gizé, com as grandes pirâmides de Quéops, Quéfren e Miquerinos e a famosa esfinge.


Descendo o rio Nilo estão cidades como Edfu, com seu magnífico templo de Hórus, o mais bem preservado do Egito Antigo; Kom Ombo, e seus edifícios gêmeos, e a espetacular Luxor, com complexos religiosos incríveis como Karnak, e o imperdível Vale dos Reis, onde estão as tumbas de faraós como Ramsés II e Tutâncamon. Mais ao sul, está a agradável Aswan, próxima à barragem do lado Nasser. Aqui é o local ideal para explorar as ruínas de Abu Simbel, quase na fronteira com o Sudão, e a Ilha Philae, com o templo ptolomaico de Ísis, o último onde foram inscritos hieróglifos. Quando estiver na região, não deixe de visitar os sukhs, os milenares mercados de caravanas, e fazer um passeio de felucca, a embarcação de velas triangulares que cortam as águas do Nilo.

A oeste do país encontra-se o oásis de Siwa, onde Alexandre, o Grande, foi reconhecido faraó. Ele fundaria no delta do Nilo, já no mar Mediterrâneo, a cidade de Alexandria, onde maravilhas da antiguidade como o farol e a mítica biblioteca legaram fama e quase nenhum vestígio material.



Para quem acha que o Egito resume-se a deserto, areia, múmias e faraós, não deixe de conhecer o Mar Vermelho, um dos melhores pontos de mergulho do planeta. Suas belíssimas águas azuladas e ampla biodiversidade estão em franco processo de deterioração por excesso de exploração turística e poluição, mas a visita a resorts como Sharm-el-Sheik e Hugharda são um excelente contraponto ao clima árido do resto do país.

A culinária local é nutritiva e barata, oscilando entre pratos bem conhecidos como kafta, esfiha, saladinhas e falafel. Viajar pelo Egito de forma independente é razoavelmente fácil, com opções para todos os bolsos, mas os serviços e infra-estrutura são em grande parte pobres e confusos. Pode ser difícil descobrir onde fica um ponto de ônibus ou embarcadouro e pode haver surpresas com relação aos preços pagos em passeios. Aliás, uma das marcas registradas do país são insistentes vendedores que tentam lhe empurrar de fotos com camelos a mini-esculturas de deuses, ou irritantes pessoas que lhe pedem gorjeta por qualquer coisa. "La, shukran" (não, obrigado), é uma das primeiras expressões que todos os turistas estrangeiros aprendem para se desvencilhar dessas hordas.

O país é um destino razoavelmente seguro, mas as tensões político-religiosas existem em todas as regiões. Para compreender um pouco mais sobre o islamismo, visite mesquitas, como Al-Azhar, e descubra incríveis belezas que os estereótipos nos fazem cegar.

O Egito é fascinante, mas exige paciência. Tenha e descobrirá um país maravilhoso.

Fontehttp://viajeaqui.abril.com.br/paises/egito

Nenhum comentário:

Bárbara Herdy 2008 - 2014. Tecnologia do Blogger.