Ms Series Killer #15 | Chicago PD (Season 02) • 2x03 - The Weigh Station

Ninguém mexe com o Jaylicia!



'QUE VERGONHA BARBARA!

VOCÊ DEMOROU PARA RESENHAR ESSE EPISÓDIO DA SEMANA!'

Podem me condenar, mas foi difícil comentar sobre esse episódio - e a falta de tempo também me impediu de seguir o meu cronograma, sorry, mates!

Chicago PD continua com um padrão 'late mais alto que daqui do pedestal eu não te escuto' de qualidade. 'Weigh Station' vem para alucinar o telespectador e dar escola há muita série que não sabe como solucionar os seus enredos com poucos episódios, sem perder o suspense, o interesse do público e a qualidade. Diferente da maioria dos episódios, esse não tratou de nenhum plot secundário. Jaylicia era o único foco em toda a narrativa e valeu cada segundo da vidinha dos seus telespectadores.

A recompensa pela cabeça de Halstead vira uma perigosa realidade, quando uma bartender inocente leva o tiro que era para ser de Jay. A estrategia é: conseguir pegar o bandido que iniciou essa recompensa bem embaixo do nariz dele. Por um lado mais racional, Olinsky tenta apelar para a razão de Bembenek, para cancelar o acerto, em vão. 
O terceiro episódio dá continuidade ao anterior, mostrando Queen Erin e Jaylicia se recuperando dos cacos daquela quase guerra, enquanto tentam salvar Madie, a bartender. Após a jovem ter recebido atendimento médico (CADÊ A NOSSA DERIVADA CHICAGO MD, tá na hora. Tá Dick? Só dizendo. Motivos? Aqui!) Jaylicia fica emocionalmente abalado, principalmente por algo que foi direcionado a ele, ter atingido (literalmente) alguém que não tinha nada haver com isso. Ele arranca a blusa fora, grita #ThisisChicago e declara sua independência da polícia: Tudo bem, isso foi na minha cabeça. O que acontece é que Jaylicia declara que todas as suas ações serão escolhidas sem o comando de Voight e sua equipe. Jay está sozinho em suas decisões e, quem deve se adaptar, é a equipe, pois só assim eles conseguirão acabar com isso.


Estava achando que ia ter uma Happy Family aqui, queridinha? Não! Tu nasceu para atuar em séries com famílias capirotadas!

Percebo que Dick Wolf gosta de trabalha com grupos de enredos. Cada um deles trata de um personagem como principal e secundário. O plano principal terá uma conclusão entre 2- 3 episódios e o secundário é apresentado, explorado e guardado para ser melhor trabalhado como tema principal no futuro (o famoso apresentar, desenvolver e consequência). Nesses três episódios tivemos Jay como foco e em segundo plano, Erin. Com a conclusão do enredo do Jay e a família aloprada de Erin tendo um temporário final feliz, acredito que o próximo episódio, teremos novos personagens em focos (#PLEASEBRINGANTONIOBACK).   


O destaque para Jay veio em boa hora. O personagem é carismático, funciona com todos os seus colegas e é uma liga emocional nas missões, mas, até o momento, não havia conquistado um plot que mexesse não apenas com sua estrutura emocional, como a nossa. (Vide que na temporada anterior ele teve um plot familiar como Erin.) Esse episódio nos mostrou que o que Jay tem de jovem, tem de impulsivo, decidido e esperto. Num futuro, ele pode pegar tranquilamente a liderança na equipe, caso aconteça alguma coisa com Voight bebê.


[Insira algo engraçado aqui, pois eu to enfeitiçada pelo charme desses homens]

Vamos falar sobre coisas boas, maravilhosas e cheirosas? Sim, vamos falar de Hank Voight. Ele é capaz de tudo pela sua equipe, sua família, mesmo que isso ele tenha que pegar pesado com cada um deles. Ele protege Jay - dele mesmo - quando o prende na central. Ninguém discute com ele sobre isso. Também, quem iria com aquela voz! Eu amo a parceria Queen Erin e Voight, mas preciso confessar que ele com Antonio lacram qualquer caso, situação, momento! Amo o sarcasmo de Voight!Definitivamente é uma das melhores coisas em toda a série. Outro ponto sobre seu caráter que é importante ressaltar é o modo que ele não se impõe através do medo. Ele não faz o outro temê-lo. Ele busca respeito antes de ser temido e conquista isso através dos seus discursos como o paralelo entre o céu e purgatório.

Olinsky, o senhor da boina, foi o intermédio com o verdadeiro vilão do episódio. Ele encarou o chefão da mafia, tentando dialogar com ele. Ameaçou com uma diplomacia de cavalheiro, dando a ele duas opções: o paraíso ou o inferno. Como todo vilão que se preste, o chefão desdenhou e manteve a ordem de matar Jaylicia. O Senhor da Boina não tinha alternativas contra aquele argumento. De qualquer modo, o chefão ganharia um prêmio pela sua resposta. Apenas no final, Olinsky pegou o sorriso debochado do chefão para si ao revelar que, graças a sua grande ajuda, ele iria passar o resto da vida na cela comum, vivendo com as pessoas que Olinsky havia mais cedo descrito. É claro que o chefão perdeu a sua última calça e Olinsky saiu passista da Unidos do TPB: Tiro, porrada e bomba.

Quem é que manda aqui? 

Eu sinto muita falta da presença de Antonio, mas percebi com esse episódio que sabemos pouquíssimo sobre Olinsky e sua paixão horrorosa por boinas. Na temporada passada ele teve um plot breve familiar que, foi ótimo para conhecê-lo como pessoa, mas que não o explorou como profissional.Tenho muita curiosidade em ver uma trama que o coloque nas rédeas de um caso, mostrando os seus dons investigativos. E, talvez, tenhamos ainda nessa temporada um foco nele, já que foi apresentado, discretamente, que ele e o policial Bunny tem um certo desafeto, mas nenhuma das partes revelou o que, mas em algum momento isso virá a tona e poderá sim, apresentar algum problema profissional ao Senhor das Boinas.


Não tá fácil não, Daddy Emprestado Voight!

Na parte secundária da série tivemos a conclusão temporária do 'Casos de Família' dessa semana. Apenas para limpar sua consciência de qualquer arrependimento, Queen Erin fez a sua parte e de negro, divou no casamento da mãe retardada e inútil. Infelizmente para o emocional da nossa Queen, ela teve a certeza que a mãe só a queria ali para fazer figuração de boa e afetuosa mãe, quando é bem o contrário. Coitado do seu novo marido. De qualquer modo, esse ressurgimento das trevas de sua mamãezinha querida serviu para reaproximá-la de Voight. Foi lindo! Eu lacrimei aqui a vendo relembrar o passado, dividindo com o público a família que Voight foi e sempre será para si. Por mais decepcionada que esteja, Voight sempre foi sua base. A figura familiar que ela nunca teve. Se tem algo que ela aprendeu com esse ressurgimento das trevas de sua mãe é que a mulher que ela é hoje é graças a Voight que, mesmo com todos os seus erros, acertou com ela. 





Nádia deixou sua marca em Plat ao mostrar que, entre dezenas de funcionários, ela foi a única a se lembrar do seu aniversário. Com isso, ela permitiu que a nova funcionária de Voight se tornasse parte do seu convívio. Não tinha a menor necessidade de ter isso explorado agora. Não atrapalhou nem ajudou no enredo da série, só foi um meio de aproveitar as personagens na série.

Outros que retornaram nessa semana foi o casal amor diabético Ruzek e Burgess. Ambos estão bem soltos nessa temporada. Sem um enredo interessante ainda, eles vão se consolidando como casal amor amor da série. Por um lado isso é bom, ver um amor proibido crescer e desenvolver como enredo de fundo da temporada pode ser importante para futuros enredos, mas também é chato, pois o casal, como personagens, parecem ter apenas isso para retratar. De qualquer modo, o casal funciona muito bem juntinhos e separados e, isso é excelente para qualquer situação que os roteiristas proponham num futuro. Como Nadia/Plat achei bem insosso o enredo do casal nessa semana. Sem a menor necessidade disso ser explorado agora. O ciúme desnecessário de Burgess, apenas para deixar Ruzek mal e, logo, no final, ser solucionado com um pouquinho de charme foi bem inútil, mas, tudo em Chicago PD tem um motivo e, garanto, que isso será explorado melhor num futuro próximo (eu espero!).

Achei maravilhoso a conclusão do episódio sublinhando que o tema da semana não foi salvar um colega, e sim, um membro da família. O orgulho de Voight com Jay foi lindo, vendo que ele não havia feito aquilo apenas por si, mas por toda a cidade. Ninguém iria saber que ele havia feito aquilo, mas a família sabia. Naquele momento, Voight elevou Jay a posição de herói e eu achei lindo. Volto a dizer, Voight não é ruim. O problema é que as pessoas não entendem que os seus altos são por aqueles que ele ama e, se ele tiver que se tornar uma pessoa ruim para isso, ele vai se torna. Ele é a imagem extrema do ser humano, que na balança da vida uma hora pende no bem e outra no mal. Jay e Brett (Chicago Fire explorando bem Brett, valendo ressaltar que aqui não só mostra ela como uma ótima paramédica, mas como um ser humano que se afeiçoa com aqueles que ela salva, o que é perigoso, mas um gesto bonito de alguém que está sempre na linha tênue da vida e morte) tiveram uma conversa tocante, onde ele deixa claro que está mal pelo que aconteceu com Maddie. Ele se sente culpado, mesmo após tudo e eu acho que essa marca irá persegui-lo como um fantasma e ele sempre tentará fugir do espectro de ter uma nova 'Maddie' em sua vida. Vale ressaltar que eu senti um climinha ali entre Jaylicia e Brett Barbie. Sou team Jayin CEGAMENTE, mas como disse na resenha anterior, eu acredito que o casal escolheu a profissão, em vez de lutar por um amor. Se Erin está dando, mal e porcamente, uma chance a Severide, porque Jay não pode dar uma chance a Barbie paramédica? Acho válido! Acho babado!
     
E agora, Jaylicia?

Chicago PD continua segurando a peteca, entregando a seu público mais um ótimo episódio, não decaindo em sua proposta apresentada e direcionando seus personagens em questionamentos importantes: O que ele seria capaz de fazer por quem ama, por sua família e por seus ideais?


17 comentários:

  1. Ai Guriaaaaa, o que vou falar desses seus comentários? Eu ri muito, e vc parece que leu a minha mente, enquanto eu estava assistindo! Eu love Tio Voight e sua voz rouca, mais seu sarcasmo, e seu jeito sou todo foda aqui!
    Ele é demais, e olha que quando ele apareceu em Chicago Fire, eu ODIEI ele profundamente! Foi mexer com meu menino! Águas passadas! Amo a relação Voight - pai Erin e também sou cegamente ela com o Jay, e sim! O destaque nesse eps foi mais que merecido e a cena com o Voight orgulhoso, foi meu ponto alto! Amo! Chicago PD, sempre está entre as minhas melhores séries da semana!
    ÓTIMO post! Beijos

    ResponderExcluir
  2. Essa série eu nunca vi, nem enquanto trocava de canal, então tudo aqui é totalmente novo para mim kkk

    Li o post por cima para não pegar informações de eps anteriores, como não vi nenhum ainda isso pode ser uma bomba :P

    bjs
    www.confraria-cultural.com

    ResponderExcluir
  3. Olá,
    Não estou acompanhando seriados no momento, por falta de tempo mesmo, mas quando eu conseguir voltar para essa vida vou tentar ver esse!
    Beijos!
    Memórias de Leitura - memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Não acompanho séries :(
    http://contodeumlivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. O que falar dessa menina que conheço a pouco tempo e já considero pakas HUAHAUAUAHUA, tudo bem?
    Não acompanho muuuuuito assim séries, ainda estou na fase de ''evolução'' por elas OSAPSOAPS, rindo aqui com teus comentários HAAAHAH. DICA ANOTA, CLARO U_U
    Ótimos comentários kkkkkk, CAPIROTADAS KLJSAJDJSAKDJSADLKJDKDSJDS #MORTO

    Beijo!!

    ResponderExcluir
  6. Olá

    Eu conheço essa série de nome e dos comerciais do Universal, mas nunca me chamou a atenção. Lendo aqui percebi que o meu preconceito estava errado, a série parece ser muito boa, as histórias bem elaboradas, passando pelos dramas dos personagens. Quando tiver uma reprise assistirei.
    Abraços

    estantejovem.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Oi, flor!
    Eu não conheço essa série e, tampouco, ouvi falar dela. A parte que mais achei interessante no seu comentário sobre o episódio se refere aos "casos de família". Eu gosto da perspectiva de que a vida do personagem não se resume somente a um problema sendo enfrentado, mas a outras circunstâncias que o abalam e que, por vezes, não consegue resolver rapidamente. E "casos de família" geralmente são assim... O personagem, envolvido em tantas responsabilidades, não consegue dar à família o que precisa. Ficamos naquela tensão, esperando que a corda finalmente arrebente (rs). Parece um bom seriado.
    Beijos!

    http://www.myqueenside.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Oi Barbie,
    Fico pasmo com sua crítica / resenha das séries... nem preciso acompanhar (mentira hehehe). A forma como vc escreve é muito legal de se ler, narrando e colocando suas opiniões junto. Apesar de adorar as séries policiais (afinal sou policial), esta não é uma série que acompanho (estranho), até porque tem muita série boa e assistir a todas elas é uma missão quase impossivel. hehehe.
    bjs

    www.navioerrante.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Oi Barbara, tudo bem?
    Nâo conheço essa série, nossa, todo dia descubro mais uma, é impressionante. E sabe do que mais??? Os americanos são bons, pois a maioria das séries são ótimas!! Por não conhecer a série, não sei comentar, mas o que mais gostei foi do Hank Voight. Adorei saber que ele é capaz de tudo para proteger sua equipe e sua família e que ele não é autoritário, ele conquista o respeito da pessoa e não faz com que ela tenha medo dele. Acho que me apaixonaria por ele também, risos...
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Não acompanho séries, a última que vi foi Supernatural, a uns anos atrás. Não conhecia Chicago PD, mas pelas suas palavras, o epsodio foi bem marcante e interessante, é bem diferente ler uma opinião sobre série de tv, achei legal que você aprofundou bastante.

    Beijos.

    www.daimaginacaoaescrita.com

    ResponderExcluir
  11. Ola Lindona ainda não conhecia a série , ando tão corrida que é raro sentar e assistir algo, adorei seus comentários sobre a série me deixou curiosa para assistir , vou pesquisar para assistir . beijos
    Joyce
    www.livrosencantos.com

    ResponderExcluir
  12. Ola lindona não conhecia a séria ando na correria que as vezes perco série por não saber, por isso adoro seu blog, adorei os comentários e vou tentar assistir alguns capítulos. beijos

    Joyce
    www.livrosencantos.com

    ResponderExcluir
  13. Oi, Linda! Não vejo nenhuma das séries, mas com certeza vou dar uma olhadinha para ver se me agrada.

    Beijos
    www.amorliterario.com

    ResponderExcluir
  14. Oi Barb linda e diva.

    MANO, eu não conhecia esse seriado. SÉRIO. De serial killer, só conheço CSI (se é que ele é desse gênero) hdihisauashduisad.
    Vou aguardar mais sua opinião sobre a bendita série e ver se vale mesmo a pena.

    Beijo

    ResponderExcluir
  15. Oi flor, acredita que nunca ouvi falar dessa série?Hahahaha, mas a achei bem interessante...pela minha família eu faria muita coisa menina..
    Vou esperar mais da série..


    bjs

    ResponderExcluir
  16. Olá!

    Adoro as dicas de seriados que consigo pegar aqui xD Esse foi mais uma! Não conhecia e parece ser muito bom. E depois dessa tua postagem, acho que vou correndo assistir kldjaslkd

    Beijos, Kamila

    www.vicio-de-leitura.com

    ResponderExcluir
  17. Não li o post com medo de spoilers,eu vi alguns episódios mas nem sei de que temporada.... Ótima dica de seriado,vou tentar me atualizar !!!!

    bjsss

    Apaixonadas por Livros

    ResponderExcluir

Bárbara Herdy 2008 - 2014. Tecnologia do Blogger.